Logo ASP

Notícias



Supremo confirma pensões para filhas de servidores civis solteiras e maiores de 21 anos

Evaristo Sá / Divulgação / STF
Cármen Lúcia: decisões durante o recesso do Supremo são tomadas pela presidente da Corte

Cármen Lúcia: decisões durante o recesso do Supremo são tomadas pela presidente da Corte

Duas mulheres conseguiram liminares no Supremo Tribunal Federal (STF) para continuarem a receber as pensões por morte concedidas por serem filhas solteiras maiores de 21 anos de servidores públicos civis. Esses benefícios foram liberados com base na Lei 3.373/1958.


Por determinação do Tribunal de Contas da União (TCU), os pagamentos dessas pensões tinham sido suspensos pelos órgãos de origem dos pais das beneficiárias (ministérios do Trabalho e do Planejamento). Mas as pensionistas recorreram à Justiça, e a ministra Cármen Lúcia determinou o restabelecimento dos pagamentos, pois, durante o período de recesso do STF, cabe a ela tomar as decisões mais urgentes.


Em maio deste ano, o ministro Edson Fachin já havia anulado os efeitos da decisão do TCU. O Tribunal de Contas da União defendia a revisão e o cancelamento de pensões por morte concedidas a filhas solteiras maiores de 21 anos que tivessem, atualmente, outra fonte de renda.


Entenda o problema


O problema surgiu porque o TCU fez uma auditoria na folha de pagamento de dezenas de órgãos públicos federais, em 2016, e chegou à conclusão de que havia indícios de irregularidades em 19.520 pensões por morte concedidas com base na Lei 3.373/1958.


Segundo o TCU, havia entre essas pensionistas mulheres com rendimento de emprego na iniciativa privada, que desempenhavam atividades empresariais e que até recebiam benefícios do INSS. No entendimento do órgão, nestes casos, as pensões por morte deveriam ser canceladas.


Para o ministro Fachin, no entanto, já havia uma jurisprudência no STF de que a lei que rege a concessão da pensão por morte é aquela vigente na data da morte do titular que deu origem ao benefício.


A Lei 3.373, de 1958, portanto, só autorizava a revisão da pensão se a filha solteira maior de 21 anos se casasse ou tomasse posse em cargo público permanente. A lei não previa a suspensão do pagamento se a beneficiária tivesse outra atividade profissional que lhe gerasse renda. A única exceção seria se ela ingressasse no funcionalismo.


Assim, o ministro Fachin determinou que as pensões voltassem a ser pagas. Na época, havia cerca de 215 processos no Supremo discutindo a matéria. E a decisão favorável foi estendida a todas essas pensionistas.


Caso de urgência


O restabelecimento das pensões se deu por meio de liminar, mesmo durante o recesso do Judiciário, porque esses benefícios são de natureza alimentícia.

-------------------------------------------------
extraonline
https://extra.globo.com/emprego/servidor-publico/supremo-confirma-pensoes-para-filhas-de-servidores-civis-solteiras-maiores-de-21-anos-22874568.html

Mais Notícias

Ministério Público impugna 749 candidaturas com base na Ficha Limpa

Advogados fazem ato em defesa das prerrogativas da classe

Toffoli diz que urna eletrônica é segura e defende a Lava Jato

Servidores públicos poderão reduzir jornada de trabalho

TSE autoriza apoio das forças federais em 41 municípios do Estado do Rio

Justiça nega pedido de teste de insanidade mental de agressor de Bolsonaro

Posturas faz nova notificação a donos de terrenos abandonados

Mais segurança na BR é pedida

TRF2 determina à PF condução coercitiva de Garotinho

Lei que estendia efeitos de ações judiciais a servidores é inconstitucional, reforça TJ-RJ

Justiça eleitoral afasta vereador de São Francisco de Itabapoana por 180 dias

Bombeiros concluem que Museu Nacional estava irregular quanto à segurança contra incêndio

TRF-2 mantém condenação e aumenta a pena de Garotinho por formação de quadrilha

Fogo no Museu pode ter sido causado por balão ou curto-circuito, diz ministro

Guarus Plaza Shopping: pedra fundamental é lançada nesta negunda

Seca do Paraíba é a mais longa em 85 anos

Ex-secretário de Saúde de Cabral, Sérgio Côrtes, volta a ser preso na Lava Jato

Agentes comunitários da saúde em protesto em frente à Câmara

INSS: lei garante salário-maternidade para homens em casos de adoção

Rafael Diniz toma posse na presidência da Ompetro

PRF embarga obra de passarela na BR-101 por risco aos usuários

Alerj promulga nesta terça-feira reajuste de 5% a servidores de Judiciário, MP e Defensoria

Iluminação pública: Contrato já assinado

Começa hoje pagamento da 1ª parte do 13º do INSS

Cerca de 17 mil servidores serão beneficiados com reajustes ao Judiciário

<< PÁGINA ANTERIOR

Envie seu comentário!

Nome:

E-mail:

Comentário:


Publicidade

  • GClin Campos

  • WIZARD IDIOMAS

  • MEGAFARMA

  • ASP JUSTIÇA

    A LOGOMARCA É SÍMBOLO DA NOSSA UNIÃO. UTILIZE SEU ADESIVO!

Previsão do tempo

Redes sociais

Blog ASP Justiça

Twitter ASP Justiça

Consulte seu extrato

>>

Estatuto ASP Justiça

>>

Seja sócio da ASP Justiça

>>

Links e telefones úteis

>>

Site ASP 2009/2011

>>

Av. Quinze de Novembro, nº. 289 • 4º Andar • Sala ASP Justiça • Centro • Cep. 28035-100 • Campos dos Goytacazes-RJ
E-mail: aspjustica.aspjustica@gmail.com • © Copyright • Novembro/2009 • Todos os direitos reservados a ASP JUSTIÇA
Site feito byChucas: byChucas